A parceria entre Lohan e Natália

Desde a gravidez, Natália Ferreira, 42 anos, se empenhou em nutrir não só o corpo, mas também a alma do bebê que estava carregando. Comeu muitas frutas, que ela adora. Jogou capoeira e fez yoga. E trabalhou, trabalhou, como relações públicas, até o último dia. Saiu de uma reunião para a maternidade. Mas tudo muito zen, tranquilo, como é a relação entre ela e Lohan.

O nome foi inspirado na saga do Senhor dos Anéis. Nati queria muito que o nome finalizasse com “an”, como muitos nomes de cidades do filme.

– Fui pensando… Um dia, estávamos numa meditação em grupo e eu falei “Lohan”, e o San, pai dele, disse que tinha sonhado com esse nome. Mágico! – conta Natália.

Desde a gravidez de Nati, todos que trabalham com ela estavam envolvidos com a função gostosa da maternidade. Nos shows, o Lohan, ainda dentro da barriga, já era cuidado. Quando estava para começar uma passagem de som dos artistas, e o volume seria alto, o pessoal da equipe técnica avisava. Então, para Nati, voltar ao trabalho depois do nascimento do filho foi apenas uma questão de adaptação.

Desde bebê, sempre tinha um lugarzinho reservado para o Lohan no trabalho da mamãe, assim ele começou a interagir, já se sentia parte das produções. Até hoje, e cada vez mais, Lohan vibra (e ele é pura vibração e energia boa) quando tem a oportunidade de ajudar a mãe: ele adora estar envolvido com a equipe que o adotou antes de sua estreia no mundo.

– Acredito que seja importante mostrarmos às crianças como atuam os pais no mercado de trabalho, de uma maneira leve e sutil. Ele gosta de saber dos eventos, levar material de divulgação para a escola, um amor! – conta Natália, que tem como marca registrada entre os amigos distribuir “beijos de sol” e muito amor ao final de seus e-mails.

Em um dia das mães, Lohan resolveu surpreender a Nati com um café da manhã feito por ele. Todo produzido – já que a mamãe trabalha desde sempre com produção! Era um domingo, e ela tinha que ir trabalhar. Então, os dois aproveitaram e foram juntos ao aeroporto, onde ela tinha que coordenar uma coletiva de imprensa com o Fábio Junior.

– Pedi desculpas ao artista por ter trazido o filhote, para não parecer tiete. O Fábio estava bem cansado e quieto, mas foi de uma
querideza com o Lohan e fez um cafuné nele dizendo “fala muleque”. O Lohan curtiu um monte! E, até hoje, canta todo faceiro “ você pintou como um sonho” e “As metades, da laranja, Dois amantes, dois irmãos, Duas forças, que se atraem sonho lindo de viver estou morrendo de vontade” – cantarola a mamãe.

O Lohan vibra com os projetos da Nati, que é uma das sócias do Atelier 523. A união é tamanha que, em alguns domingos, o pequeno pergunta alegremente se pode ir para o trabalho com a mãe. Lohan é um parceiro, um companheirinho, que soube, desde sempre, se adaptar à vida da mãe – e fez isso sem problemas, como reconhece Nati. Participa dos eventos, espetáculos e entrevistas, tudo dentro das regras de segurança e, principalmente, respeitando seus limites enquanto criança.

A rotina dos dois foge do comum. Ambos estudam filosofia na Nova Acrópole, cuja sede fica no Solar Palmeiro, no Centro, e Lohan se sente em casa. Quem disse que filosofar não é para os pequenos? Aliás, há muito mais filosofia na infância do que sonha nossa vã percepção de adultos. Uma das preferências de mãe e filho é o oráculo do Pão, que fala das Virtudes, das bênçãos e da abundância. É um hábito que Natália tem com a equipe do Atelier em cada novo dia e em casa. São pequenos momentos de reflexão que motivam as pessoas. “Segundos de pensamento são ouro puro”, diz Nati, uma mulher completamente solar. Iluminada.

Lohan tem 8 anos, e estuda na Amigos do Verde desde os 4. Lá, a rotina da criançada começa com a harmonização, reflexão e desejo de um dia redentor. “Eles fazem mapa mental, definem projetos a partir do consenso do grupo – prática que promove uma conexão valiosa entre escola e família e que, além de emocionar, estrutura e fortalece todos os envolvidos” conta Nati.

Super ligado em cultura, desde pequeno Lohan ama ir à Livaria Cultura. No aniversário de 4 anos, a Dani e o Alex, que atendem Natália desde que o Lohan estava na barriga, mandaram o livro do Bob Dylan de presente para ele por motoboy, mas a exigência era que ele assinasse a entrega. E foi assim a primeira assinatura oficial do Lohan. Para receber Bob Dylan em casa. Quando soube que a mãe iria trabalhar no show do cantor, o pequeno ficou super empolgado. Tanto que colocou o nome de Dylan no filhote de labrador, um dos animais da família.

O amor pelos animais também é parte importante da vida dos dois. Eles têm uma gata de 17 anos que se chama Feliz, e duas pequenas, a branca Laksmi e a preta Vitória Onix. No sítio da família ficam outros animais: os gatos Sol Dourado, a Lola Charlote e a Maya. A Amelie Pouilan é a gata que fica no Atelier. Eles também têm cachorro, a Rara Vida, uma pastora branca, e uma labradora
preta que leva o nome de Pachamama, mãe do Dylan.

– Às vezes, ele está lendo e as gatas estão todas em volta. Todos rompem aquele padrão de que gato não é carinhoso. Aprendemos muitos com as gatas. Bicho faz bem, essa é a mais pura e abençoada verdade para nós – resume Natália.

Nos finais de semana de folga, Natália costuma levar Lohan e os amigos a peças de teatro Ele já assistiu a mais de 100 produções
teatrais infantis.

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *