Viajar com Filho não é nenhum bicho de sete cabeças!

Sempre que volto de viagem com meus filhos muitas pessoas – especialmente mães – me perguntam sobre as dificuldades de viajar com crianças pequenas, se a logística não é muito complicada, se conseguimos aproveitar o passeio, fazer compras, se eles dormem bem, etc.

viajar com criança

Depois de 4 viagens para EUA e Europa com meus filhos, e muitas dentro do Brasil e no Uruguai, posso afirmar que é bem menos complicado do que parece. Na verdade, que tem que descomplicar e relaxar de certas coisas somos nós, os pais.

É claro que quando viajamos com crianças pequenas (o meu filho tem 4 anos e a minha filha 1 ano e 9 meses) temos que ir conscientes de que não conseguiremos fazer todos os programas turísticos da programação, de que o momento de compras será mais complicado e exigirá paciência dobrada e revezamento entre os adultos, de que nem todos os restaurantes se encaixam no perfil “família”, e também que muitas vezes a noite vai terminar em um piquenique no quarto, visto que os pequenos vão capotar e os pais terão que se contentar com um bom vinho e alguns petiscos comprados no supermercado. Mas, e o que há de mal nisso???

Na minha opinião, depois que temos filhos, temos que assumir a situação de que somos uma FAMÍLIA, e de que as viagens de férias passarão a ser diferentes. Que há privações em alguns momentos eu não posso negar, mas a alegria do convívio e das descobertas que fazemos juntos nessas viagens são muito maiores e melhores do que isso.

Vale a pena levar filhos ?

Bom, eu sou do tipo que anda sempre com os filhos a tiracolo. Viagem sempre foi uma paixão minha e do meu marido, e não deixamos de viajar depois da chegada dos pequenos. Apenas adaptamos certas coisas, e ganhamos companheirinhos na jornada.

Na verdade, só o fato da pessoa viajar já exige um certo grau de desprendimento, independente de estar com os filhos. Deixamos a segurança da nossa casa, da família, dos amigos, do carro, para rumar ao desconhecido (e essa é justamente a graça da coisa). E daí a gente tem que se adaptar em novos quartos, novas camas, novos caminhos, novos sabores.

Com as crianças é a mesma coisa: até pode ser que no primeiro dia eles estranhem um pouco, mas em seguida já se adaptam e passam e incorporar aquela nova rotina. Noto que a cada viagem essa transição fica mais fácil com meus filhos – primeiro porque eles estão crescendo e ficando mais maduros e flexíveis, e segundo porque estão ficando acostumados a viajar (orgulho de estar formando dois pequenos viajantes!).

Nessa última viagem fomos nós 4 e a minha sogra – a presença da avó ajuda muito em viagens, é mais um adulto para dar uma mão, reparar… Alugamos um apartamento, como costumamos fazer (já disse que acho bem melhor esse tipo de hospedagem com criança). Compramos um monte de novidades gostosas no supermercado (adoro ir a supermercado quando viajo, haha), e fazíamos o café da manhã em casa. Almoço sempre na rua, em restaurantes, e jantar às vezes em casa, às vezes fora. Dependia do cansaço do dia… Mas com o maior orgulho conto para vocês que eles se comportaram bem (para os limites de uma criança, claro) em todos os lugares que fomos para comer, desde os mais simples até alguns sofisticados e exóticos (comida peruana, japonesa, etc). Até jantamos no Nobu com eles uma noite, que é um lugar mais com carinha de “balada”, e deu tudo super certo, inclusive encontramos outras crianças por lá também. O pessoal do restaurante foi super atencioso, trouxeram copinho plástico infantil e ofereceram espetinhos deliciosos de peixe e frango para os dois. Aliás, é difícil o restaurante que não seja kids friendly nos EUA…

É claro que os lanches e refeições durante uma viagem nem sempre são o ideal, a frutinha não está sempre à mão, mas que mal faz, durante 10 dias, se alimentar um pouco fora da rotina super saudável de casa? Melhor fechar os olhos e curtir a alegria deles devorando waffles e batatas fritas…

Sobre o sono, a Valentina estranhou um pouco a primeira noite, mas depois já se acostumou e passou a dormir a noite toda de novo. E o Frederico já nem sente mais essas mudanças… A soneca do dia da Valentina teve que ser sempre “na rua”, no meio dos passeios: andando de carro ou no próprio carrinho. É claro que a programação para um dia inteiro fora, batendo perna e passeando, exige um certo grau de organização: na mochila é necessário levar muitas fraldas, no mínimo duas mudas de roupa, casaquinho, mamá, lanche, água, brinquedos, etc.

Com levar bebes na viagem

A parte “compras” é a mais complicada com crianças, na minha opinião. Lá procuramos mesclar programas para eles, pracinhas, parquinhos, passeios turísticos com as idas a shoppings. Em alguns momentos nos revezamos, meu marido ia para o apartamento com eles enquanto eu encarava as lojas, ou a minha sogra entretia os dois por algum tempinho, ou eu ficava com eles enquanto o Rodrigo pesquisava lojas de eletrônicos… Mas no dia que fomos ao outlet Sawgrass Mills levamos os dois junto, e eles se comportaram SUPER bem, ao meio-dia levamos eles para almoçar no Rainforest Cafe, e depois deixamos eles brincarem um bom tempo no playground do restaurante. Aguentaram firme, sem reinar, até o fim. E temos que convir que um dia de outlet já é massante para nós, adultos, imagina então para eles!

O voo e o aeroporto também são sempre momentos “tensos” em viagens com crianças. Essa foi a primeira vez que fomos de voo diurno. Eu sempre achei que era melhor viajar de noite com as crianças, pois assim eles dormiam o tempo todo e não viam o tempo passar. Só que a gente chega acabado no destino, né? Pois então, experimentamos o voo diurno e adoramos! Saímos de Porto Alegre de manhã cedinho, e à tardinha estávamos em Miami, inteiros. E os pequenos? Se comportaram super bem, nós levamos várias opções de entretenimento (iPad, livros de colorir, livrinhos de leitura, brinquedos), e, além disso, a TAM tem um Canal Kids bem bacana também, com vários filmes e desenhos. Uma parte do tempo eles dormiram, um pouco se ocuparam com as refeições, e o restante da viagem eles brincaram e assistiram desenhos. Pegamos aqueles assentos conforto, que ficam na primeira fileira, o que possibilita espaço para eles brincarem no chão, circularem, etc. Isso ajuda muito! E também comprei assento para a Valentina, pois, embora ela ainda não tenha dois anos de idade, é muito grande para ir no nosso colo por 8 horas.

O Frederico e a Valentina curtiram muito os passeios: zoológico, Museu da Criança, praia, passeio de barco, etc. As crianças crescem muito nesse tipo de viagem, aprendem coisas novas, passam a observar as diferenças entre os lugares, entre as pessoas, entre as comidas… Para mim, cada vez fica mais prazeroso viajar com a minha duplinha!

Finalizando, fiz esse post realmente para dizer que não acho nenhum bicho de sete cabeças viajar com crianças. É claro que precisa ter disposição, paciência, e um companheiro a fim de encarar a aventura do lado – caso do meu marido, que é um ótimo parceiro de viagem, adora a companhia das crianças e encara junto tudo o que precisamos enfrentar com eles.

Não deixem de viajar porque tiveram filhos! A vida continua, e os caminhos passam a ser mais coloridos e divertidos (e também um pouco mais cansativos, claro…).

Batizado com ovelhinhas e muito lilás

Gurias, faz tempo que não mostro inspirações para batizados por aqui, né? Então resolvi dividir hoje com vocês algumas imagens da festinha da Sophia, filha da minha amiga Fabiana Fauri. Espero que gostem!

batizado com ovelinhas

O batizado aconteceu na Igreja da Ressurreição do colégio Anchieta.

A pequena Sophia vestiu o mandrião da família.

O mandrião já tinha sido usado pela avó, pela mãe e pela irmã dessa guriazinha fofa!

Após a cerimônia religiosa, cerca de vinte convidados foram recepcionados no salão de festas do prédio onde a família mora.

Dicas Batizado com ovelhinhas

“Os preparativos começaram mais ou menos um mês antes do batizado”, conta Fabiana.

“A decoração foi feita pela Ki-Festa, com a profissional Janete, que é um amor. Já trabalho com essa empresa desde o aniversário de 1 ano da Nathalia, minha filha mais velha, e gosto bastante, porque a equipe é treinada e muito competente.”

“Na verdade, já chego lá com tudo meio planejado.”

“Dessa última vez, queria um tema que tivesse a ver com batizado, mas não queria anjinhos, já que uma amiga tinha recém feito uma festa assim, em branco e amarelo.”

“Optei, então, por um tema fofo e bíblico: ovelhinhas.”

“O bolo, os doces decorados, as bolachas no palito e os cake pops eram da Isa Herzog, com quem trabalho desde o batizado da Nathalia. Ela é ótima e super simpática.”

“Os demais doces eram da Andrea Doces.”

“Além das ovelhinhas, foram usados na decoração pratos de cerâmica branca, flores e balões a gás.”

O cardápio do almoço? Paella.

“As ovelhinhas eram todas minhas. Elas foram compradas especialmente para o evento.”

As lembrancinhas do batizado: um potinho personalizado com álcool gel e uma fotinho da Sophia.

Adorei que a lembrancinha foi enrolada num terço… Tudo a ver com o motivo da comemoração!

“No almoço, a Sophia usou um vestido lindo bege com flores lilás e verde que eu trouxe de Nova York quando estava grávida, por isso as cores da festa, quis combinar com o vestido.”

Lindo o batizado! Linda a família!!! Parabéns, Fabricio e Fabiana!

 

Quando a criança deve largar o bico?

Alô, mamães: pensando em como fazer para seus filhos largarem o bico/chupeta? Eu já passei por essa fase com o Frederico, conseguimos (eu, meu marido e a Dra. Juliana) fazer o desapego final aos 3 anos e 5 meses, até fiz um post sobre isso antes do meu filho largar o bico (ver aqui). Foi um pouco atrasado em relação ao ideal, foram difíceis os primeiros dias, mas vencemos! Ano que vem terei que passar pelo mesmo processo com a Valentina, que adora o “bibi” dela… Chego a ter calafrios só de pensar!

Eu considero essa uma das grandes mudanças na vida da criança, junto com o desfralde. Parece que, ao largar definitivamente a fralda e a chupeta, ela passa de fato da fase “bebê” para a fase “criança”. E todas as mudanças deixam marcas e não são fáceis, claro. Nem para nós, nem para os pequenos.

Pensando nisso, fiz algumas perguntas sobre o assunto à odontopediatra dos meus filhos, a Dra. Juliana Barata, que inclusive já nos deu entrevista sobre os cuidados bucais na infância aqui.

Os danos causados pelo uso da chupeta dependem do período de tempo em que é usada, da intensidade com que é usada e da frequência com que é usada.

Durante o hábito de sucção, a língua exerce uma força sobre o bico pressionando-o contra o palato (céu da boca). Essa força faz com que a arcada superior vá adquirindo um formato mais estreito, fazendo com que o palato fique profundo, favorecendo um crescimento vertical e dificultando a respiração pelo nariz, o que leva a uma respiração bucal. Além disso, os dentes anteriores são projetados (empurrados para frente), o que facilita com que sejam atingidos em caso de traumatismo dentário.  Esses dentes anteriores também ficam posicionados mais para cima, não havendo contato com os dentes inferiores, o que é chamado de “mordida aberta anterior”. Todas essas alterações levam a uma musculatura da face enfraquecida, o que prejudica a fala da criança.

 

2)   Até que idade o bico pode ser usado sem que haja prejuízos irreversíveis aos dentinhos?

A Associação Brasileira de Odontopediatria e o Ministério da Saúde recomendam que a idade de 3 anos seja a época limite para a eliminação do uso da chupeta. Entretanto, reconhecem que o ideal seria remover gradativamente o hábito até os 2 anos de idade. É importante que o odontopediatra acompanhe essa criança no sentido de avaliar se o hábito já não está causando alterações muito severas antes dessa idade. Nesse caso, com a concordância dos pais, pode-se tentar um abandono do hábito antes dos 3 anos de idade.

 

3)   Como os pais devem proceder quando chega a  hora de tirar o bico?

É importante que antes disso se inicie um processo lento e gradual de forma que ao se chegar aos 3 anos de idade o abandono seja tranquilo.  Desde o início do uso, o bico não deve ser estimulado e, de preferência, não deve ser oferecido antes que a criança solicite.

Os pais devem conversar com a criança explicando o que o bico está causando de forma que a criança se conscientize das reais razões pelas quais o bico deve ser abandonado.  Isto faz com que o abandono seja consciente. É muito provável que nos primeiros dias sem o bico, a criança se arrependa e peça o bico de volta. Nesse momento, os pais devem reforçar com a criança porque ela quis abandonar o bico e que é normal que ela sinta saudades, que essa saudade vai passar. E que enquanto sentir saudades, seu pai ou sua mãe vão ficar fazendo companhia, contando história ou lendo algum livro diferente”. Essa conduta vai distrair a criança, mas principalmente mantê-la segura após ter tomado uma decisão definitiva.

Deve-se tomar muito cuidado no sentido de se evitar propor trocas com a criança como por exemplo: “Se você entregar o bico para o Papai Noel, ele vai trazer uma linda boneca”

É fundamental que, após o abandono da chupeta, essa criança seja muito elogiada, realizando-se o que se chama “reforço positivo”. Aí sim, pode-se dar algum presente à criança, mas com a conotação de ser um prêmio pela sua conduta e não um objeto de troca.

 

4)   Como fazer o processo de forma que não ocorram traumas para a criança? Qual a influência do dentista nessa fase?

É claro que o abandono do bico é uma mudança importante na vida da criança. O fato de ser um sofrimento, pelo sentimento de perda não significa que a criança vai ficar traumatizada. O odontopediatra pode iniciar esse processo conversando com a criança sobre o porquê dela abandonar a chupeta e, principalmente, orientando os pais a como agir neste momento e nos dias que se seguem, já que é comum a criança se arrepender de ter parado com o hábito.

 

5)   Quais as marcas e modelos de bicos mais apropriados? Que tamanho de bico deve ser utilizado em cada idade?

O ideal é a utilização de uma chupeta de silicone (ao invés da de látex que favorece um maior acúmulo de bactérias) e ortodôntica já que apresenta um formato anatômico que acompanha o formato do palato. Quanto à marca, deve-se procurar marcas reconhecidas pela fabricação de bicos. Apesar da indicação do fabricante com relação ao aumento gradativo do seu tamanho, o ideal é que, desde o início, se adote a chupeta de menor tamanho por ocupar um menor espaço na cavidade bucal.

Meninos e meninas: iguais ou diferentes?

Gurias, esses tempos fiz um post sobre a exposição “Barbie Terras Distantes” no shopping Iguatemi, lembram (ver aqui)?

Na semana passada, resolvi levar o Santiago lá…

Eu adorei! Fiquei enlouquecida com as bonecas da exposição, mas o Santiago reclamou do início ao fim. Não deu certo!!! “Mãe, isso aqui é muito chato. Mãe, quero ir embora. Mãe, isso aqui é coisa de menina.” Só no finalzinho, quando viu o avião da Barbie é que ele posou para a foto e me deu uma folguinha…

Bom, comentei com umas amigas no Facebook que não tive parceria na exposição e várias disseram que o mesmo tinha acontecido com elas. Então surgiu a dúvida: afinal, meninos e meninas são ou não são iguais? Eles têm os mesmos interesses independente do gênero? Devem ou não receber o mesmo tratamento dos pais?

Nessas horas, nada melhor do que chamar a ajuda das universitárias. Com vocês, as It Mommies!

“Os meninos são muito diferentes das meninas e têm interesses diferentes. As meninas são mais detalhistas, independentes e decididas. Eles se contentam com menos, demandam menos e falam menos :-) . Acho que as meninas são mais curiosas, gostam de conversar e, na mesma idade dos meninos, são muito mais espertas… Nós tratamos eles de forma diferente, justamente por notarmos essas diferenças, que existem e tem que ser respeitadas.”“Boa pergunta, Paula! Sabe que começo a ver algumas diferenças no jeito de ser? Apesar de ser bem pequenino, o Vítor é mais agitado, parece um polvo pra vestir. Usa muito mais a força do que a Sofia usava quando era bebê.

Ainda não consigo avaliar se vamos ter que ter rédeas mais curtas com o Vítor, mas é o que começa a dar a impressão. Acho que o que vai determinar vai ser muito em função da personalidade de cada um. Acho que a educação em geral não deve ser diferente, até já falei pro André que não gostaria de fazer diferença entre eles, mas ao mesmo tempo fico pensando se não fazemos isso naturalmente, sendo mais ‘light’ com meninas e duros com meninos. Fica pra pensar!”

Aqui em casa são dois meninos e uma menina, e posso te garantir que existem muitas diferenças. As meninas são mais concentradas, muito embora, geralmente mais agitadas. Por outro lado, as brincadeiras são mais elaboradas, mais calmas e mais produtivas. Elas vivem no mundo da fantasia, vivem sonhando com o príncipe encantado. Já os meninos são mais práticos, mais rápidos, mais ativos, as brincadeiras mais curtas, mas mais intensas. Os interesses são completamente diferentes, elas amadurecem mais rápido, são sonhadoras. A minha filha, que tem 5 anos, já faz planos para o futuro, fala em ter família, filhos, profissão. Por sua vez, os meninos vivem mais o hoje. Sem falar no consumismo, pois meninas consomem muito mais: vestido, saia, blusa, calça, laço, tiara, vários sapatos porque tem que combinar tudo. Meninos são bem mais simples para se vestir. Tudo é básico, é muito mais fácil. Acredito que o tratamento deva ser o mesmo mas em intensidade diferente, ou seja, de acordo com as necessidades de cada um, aí sim independente do sexo, porque cada filho, ao meu ver, precisa de um tratamento diferente, eu com três estou vivenciando bem isso, pois cada um tem suas peculiaridades, personalidades distintas, e, sendo assim, cada um recebe o tratamento que precisa.”

Por que colocar criança dormi no escurinho

Por Raquel Guindani

Da série: os erros que cometemos quando viramos mães…

São muitos os equívocos que as mães e os pais fazem com seus filhos, não é mesmo? Estamos sempre tentando acertar, mas muitas vezes a inexperiência e a falta de informações nos fazem tomar caminhos errados na condução da rotina e da educação dos nossos filhos. Mas daí a gente ouve, aprende, bate com a cabeça na parede, e corrige (ou tenta corrigir) os desacertos.

No meu caso, uma das coisas erradas que fiz foi sempre deixar uma luzinha fraca, indireta, ligada nos quartos dos meus filhos à noite, enquanto eles dormiam. Eu pensava que assim eles se sentiriam mais seguros se acordassem durante a noite, saberiam onde estavam, conseguiriam procurar a chupeta perdida entre os lençóis. De fato, meus filhos dormem bem, a Valentina sempre dormiu a noite toda (coisa que com o Frederico só foi se tornar permanente aos 2 anos de idade), e ambos sabiam procurar seus “bibis” ou se localizar no próprio quarto durante a noite devido à pequena iluminação que eu deixava acesa.

Só que eu estava errada. E não foi por falta de avisos: a minha mãe sempre me disse que eu devia apagar a luz para que eles dormissem melhor e produzissem os hormônios necessários à sua saúde e bem-estar. Mas eu ia postergando a história de deixá-los totalmente no escuro simplesmente pro achar mais cômodo assim, e para que eles não sentissem medo (o medo está mesmo é na cabeça da gente…).

Agora, estando o Frederico com 4 anos e a Valentina com 1 ano e 8 meses, após conversar com duas médicas sobre o assunto e ler e pesquisar muito, criei coragem e apaguei a luz.

Resumidamente, o que ocorre é o seguinte: a melatonina, um neuro-hormônio produzido pela glândula pineal que regula nossos ciclos biológicos e nos induz mais rápido ao sono profundo, é um poderoso anti-oxidante, influencia na memória, no aprendizado, no envelhecimento e na prevenção de doenças. Ela só é produzida no escuro completo. Qualquer luzinha, por mínima que seja, já faz com que o cérebro envie uma mensagem bloqueando a sua formação. Vejam bem, não é o hormônio do crescimento, o GH, mas esse só é produzido quando estamos em… sono profundo!

Bom, não quero me estender nessa explicação, até porque não sou médica nem especialista no assunto, entretanto o fato é que devemos todos, adultos e crianças, dormir no escuro. Para o bem da nossa saúde.

Voltando ao apagar das luzes aqui em casa: o Frederico estranhou muito desde que começamos a deixar o quarto no escuro, reclamou algumas vezes, porém explicamos para ele que isso o faria acordar mais descansado e “crescer mais”, e ele acabou aceitando. A Valentina, por sua vez, não reclamou, parece nem ter notado a diferença…

E os filhos de vocês, dormem no escuro completo? Eles sentem medo?

O rol das perdas

Minha conversa será curta, hoje, porque é mais uma proposta de reflexão do que uma coluna comum. Na madrugada do último sábado, a labradora Maricota morreu, devido a problemas no fígado. Manu estava na sala quando recebemos a notícia e ficou profundamente magoada, chorou, lembrou de episódios com a Maricota. Sofreu a perda. No ano passado, perdemos dois filhotes no parto de nossa cachorrinha Shi-tzu. Manu sofreu e realizou uma cerimônia de adeus àquela que ela havia batizado de Fofurinha, que nunca nem chegou a respirar. No ano passado, também Manu perdeu sua bisa repentinamente. Até hoje, conversa com ela e lembra que ela está presente em momentos como na ceia de Natal.

Lembrei da tal propaganda em que o peixe morre e os pais substituem por outro no aquário sem que a filha saiba. Há perdas que podemos (ou devemos?) contornar. Não sou a favor de expor as crianças a todas as agruras do mundo desde cedo. Nós, pais, tendemos a protegê-las das perdas e frustrações. Devemos? Até quando? Mas a vida nos apresenta situações em que não é possível simplesmente contornar um acontecimento de perda. Muito menos diante de uma criança de sete anos. O luto dói, mas ensina. Em que medida? Não sei precisar. Acho que não devemos dar às crianças uma carga de informações que elas não tenham idade de suportar. Mas não gosto da ideia de criar iglus emocionais.

E vocês, como lidam com as perdas diante dos filhos?

Um beijo contemplativo,

Milena

Papo de mãe com Milena Fischer

Pessoal, eu e a Paula estamos muito contentes e orgulhosas em apresentar para vocês a mais nova colaboradora do Mães à Obra: a competente jornalista Milena Fischer. A partir de hoje, quinzenalmente, às segundas-feiras, será publicado um dos maravilhosos textos da Milena, falando de uma forma bem intimista sobre a maternidade. A Milena é mãe da graciosa Manuela, de 7 anos, e já foi nossa It mammy, lembram?

Tenho certeza de que vocês vão curtir os textos dela. Eu adoro a forma como a Milena escreve, sempre me faz refletir e ver as coisas por outro ângulo…Papo de mãe

Com vocês, Milena Fisher, a mais nova mãe à obra!l

Olá, leitoras e leitores. Combinei com a Raquel que este espaço seria bem íntimo, para que possamos trocar experiências pessoais. Antes de pegar no mouse, peço que escrevam, contem dramas, dúvidas, relatem acontecimentos, para que, juntas, passemos a limpo todas as delícias e os dramas da maternidade. Em todas as suas fases.

Tenho 35 anos e uma filha que acaba de completar sete, a Manuela. Sou jornalista por formação e apaixonada por literatura desde o DNA. Aos oito anos, escrevi um “livro”, a caneta, porque computadores pessoais não existiam, arranquei as folhas do caderno, com rebarbas e rasuras, e perguntei à minha mãe:

– Posso mandar para a Editora Ática (eu amava os livros da Ática)?

Minha mãe talvez soubesse que não iria rolar o meu primeiro livro publicado, mas fez o que me vejo fazendo com a Manuela hoje. Incentivou. Até mesmo porque seria uma das primeiras lições de frustrações, caso não fosse aceito pela editora. E um grande ensinamento sobre empenho e dedicação. É preciso fazer, fazer, fazer, aprender, aprimorar-se para, quem sabem, ter sucesso no que se quer fazer.

Mandamos “o livro”, que se chamava Naniquinha, a Menina que Tinha Medo de crescer, pelo correio.

Em alguns dias, chegou o dourado envelope da editora.

Gelei. E se fosse um “sim”? Mas não era exatamente um “sim, prepare-se para a sessão de autógrafos”. Era uma longa carta, que guardo até hoje, elogiando a história, agradecendo a escolha pela editora, explicando que não publicavam livros escritos por crianças e me incentivando: escreva, escreva, escreva. Quando fores adulta, estarás pronta para publicar.

Adorei a carta e a guardo nos meus alfarrábios.

Mesmo antes de nascer, minha filha Manuela se desenvolveu nesse meio de letras e páginas. Eu lia histórias para ela quando ainda estava grávida. Desde muito pequena ela gostava de mexer nos livros e ficava atenta às ilustrações. Foram vários que ela mordeu, rasgou páginas, pediu que lesse para ela. Até meados desse ano. Não sei bem o dia em que me dei conta que ela passou a ler apenas “com os olhos”. E pulou, com curiosidade histórica, para o volume A Bíblia para as Crianças (235 páginas com poucas ilustrações). Depois veio Pipi Meia Longa, Judy Moody, O Ladrão de Sorrisos, contos, e é assim, um ou mais livros “grandes, mamães” por semana.

Vou dizer uma coisa, bem clara e franca, caso alguma de nós, mães, ainda não tenha percebido. Não há produto cultural (adequado e inteligente) que não encante uma criança. Esqueça os livros e filmes tatibitati. Jamais subestime a curiosidade e a inteligência de seu filho. Ele pode ter um ritmo diferente do filho do vizinho. Não compare, não exija, não espere. Deixe-o livre para fazer suas descobertas, mas ofereça essas possibilidades sem medo e sem forçar a barra! Livros são companheiros de berço das crianças porque eles fazem o que poucas coisas conseguem fazer: estimular a imaginação e o entendimento do mundo. E para elas, as crianças, esse processo é simples, encantador e inestimável.

Essa é a primeira mensagem que quero deixar a vocês. Troquem os brinquedos que brincam por si por brinquedos que convidem a criança a agir e criar. Troquem o vocabulário frouxo pelo vocabulário das crianças – que é mais rico do que imaginamos. E deixem que elas façam todas as perguntas do mundo. Não tenham preguiça nem medo de serem questionados. Elas aceitam mesmo um “não sei, meu filho”. E aí vem a melhor a parte: vocês aprendem juntos.

Um grande beijo de quem vive sendo questionada e desafiada.

Milena