O que o seu filho vai ser quando crescer?

Meus filhos têm, respectivamente, 4 anos e 1 ano de idade. Estão, portanto, muito longe da hora de escolher uma profissão. Por enquanto, não sonho nem idealizo nada para eles, somente desejo que sejam pessoas bem sucedidas, realizadas, e que façam muito bem feito aquilo que resolverem fazer – sonho de toda mãe, não é mesmo?

Procuro fazer minha parte ensinando valores de caráter, responsabilidade, esforço, organização, determinação. Tudo através de brincadeiras e atividades da rotina infantil, claro.

Entretanto, acho muito interessante, do ponto de vista da educação e do conhecimento, que eles (principalmente o Frederico, que tem 4 anos) conheçam as diferentes profissões que existem, que entendam a profissão minha e do meu marido, dos avós, dos tios, etc. Não conhecer profundamente, claro, mas ter uma noção. O Frederico sempre gostou de acompanhar meu marido no ambiente de trabalho dele, o que fez com que ficasse totalmente apaixonado pelo negócio do pai. Ele brinca de trabalhar com o papai, desenha eles “fazendo reuniões”, fala bastante nisso. Normal, né? Até porque o “brincar de trabalhar” é uma forma lúdica e divertida das crianças aprenderem sobre o trabalho.

Agora na escola dele a turminha está trabalhando num projeto das profissões, o que está proporcionando que os pequenos tenham contato com profissionais das mais variadas áreas – todos os pais estão visitando a sala de aula para contar sobre seus trabalhos, assim como os funcionários da escola e outros profissionais como bombeiros, enfermeiros, seguranças, pilotos, etc. Nem preciso dizer a curtição que está sendo essa atividade, e o quão divertido é vê-los contar sobre como é o trabalho de cada profissão… As interpretações são bem variadas, e de acordo com o alcance de crianças de 4 e 5 anos de idade. Porque vamos e convenhamos, nada fácil explicar para eles o que faz um psiquiatra, um juiz… Algumas profissões são mais concretas, e por isso mais fáceis, como médico, fotógrafo, dentista, etc. Mas está sendo um aprendizado e tanto! E rende boas risadas, tentem conversar sobre isso com os filhos de vocês!

Sei que algumas pessoas acham precoce ter contato com o assunto “trabalho e profissão” nessa idade, mas acho que tudo depende da forma de abordagem, e na minha opinião é válido para eles começarem a criar seus próprios conceitos e descobrir afinidades com esta ou aquela área. Não tenho pretensão nenhuma que meus filhos sigam as profissões dos pais, no entanto sei que teremos, de alguma forma, influência sobre isso – pesquisa realizada este ano pela Faculdade Anhembi Morumbi mostrou que a opinião da família é o que mais influencia a escolha dos estudantes na hora de definir a profissão (35%).

O que eu penso é que, quanto mais nossos filhos conhecerem, mais segurança vão ter para decidir na hora de fazer um vestibular – que eu, por sinal, acho que é cedo demais na vida para uma escolha tão importante como a profissão.

Por enquanto, julgo ser saudável esse contato deles com o ambiente de trabalho dos pais, até porque eles se sentem super valorizados de participar de um dia de trabalho ao nosso lado. Nesta última viagem que fizemos para Miami, no último dia em que estávamos lá, fui fazer um lanche de manhã numa cafeteria do Bal Harbour com a Valentina e me surpreendi quando, após ter feito o pedido, veio um menino de uns 7 anos de idade servir a mesa. Questionei o que estava ocorrendo, e ele me disse super contente que aquele era um dia especial na cidade, em que os filhos podiam acompanhar os pais em seus empregos e exercer suas funções. Como no caso dele a mãe era garçonete, lá estava o menino super contente servindo as mesas do café, e me disse que no período da tarde ele iria acompanhar o pai no trabalho dele. Achei interessante até como forma das crianças valorizarem os trabalho dos pais.

A maioria das crianças dizem que querem ser bombeiros, policiais, astronautas, bailarinas, cantoras, professoras e veterinárias quando crescerem, certo? É claro que as opiniões e gostos mudam de acordo com o crescimento, e que tudo isso faz parte de uma grande brincadeira, mas acho que mostrar as opções e conduzir esse assunto de maneira leve só pode trazer benefícios no futuro.

O Frederico agora anda dizendo que quer ser empresário quando crescer (risos). E o filho de vocês, o que quer ser quando crescer?

Brinquedos antigos na decoração do aniversário

Quem acompanha o Mães à Obra sabe que a Raquelzita e eu adoramos festas com jeitinho de antigamente. Aniversários menores, mais aconchegantes e personalizados. Valorizamos os livros de receita de família, os brinquedos de madeira e tudo que contribua para o clima “a festa é no jardim daqui de casa. Podem entrar…” Sabem assim? Foi por isso que pedi pra Pri Borges, fotógrafa do evento, para mostrar para vocês as imagens desse aniversário tão alegre e querido … Espero que gostem!

“Os preparativos começaram aproximadamente quatro meses antes, quando o pai do Pedro Frederico e eu compramos alguns brinquedos de madeira (carrinho, trenzinho e alguns jogos lúdicos) e um pião sonoro, surgindo aí a ideia de utilizarmos todos na festa de aniversário”, conta a mamãe Eliza Ferretti.

“A escolha do tema foi resultado do desejo de ter uma festa linda, que trouxesse a todos a experiência da infância, explorando o universo lúdico infantil e adotando como tema brinquedos com os quais hoje em dia as crianças não têm tanto contato, como pião, bambolê, carrinho-de-mão, peteca, ioiô, biboquê, monóculos, além de brinquedos de madeira. Assim, o tema escolhido foi ‘brinquedos antigos’.”

“O Pedro Frederico adora brincar com carrinhos, bolas e animais de fazenda/selva. O aniversário, portanto, foi uma oportunidade também para que ele diversificasse um pouco o seu universo, fazendo contato com piões, petecas, bambolês…”

“Como mãe do aniversariante, também quis participar dos preparativos para o grande dia. A decoração foi da Ana Maria Amorim, da AMA Eventos. Ela conseguiu reproduzir exatamente (e ainda melhorar) o que eu havia imaginado para a festa do Pedro Frederico, algo bem colorido, gostoso, com jeito de festa em casa e, ao mesmo tempo, cheio de detalhes especiais, que trouxeram alegria aos olhos das crianças e memórias agradáveis aos adultos…”

“Usamos muitos brinquedos de madeira, como aviões, carrinhos, trens, biboquês, também petecas, bambolês, pião, balões, lego, dominó, pandorgas, e até ursos de pelúcia estilo Teddy Bear. E os elementos em biscuit bem coloridos, utilizados em caixinhas decorativas, deram um charme especial à mesa.”

“O aniversário foi no salão de festas do meu edifício, porque pretendia um ambiente mais pessoal, sem os brinquedos das casas de festas que, à época, ainda não seduziam o aniversariante, então com dois aninhos.”

“Usamos as cores primárias (verde, vermelho e azul), o marrom, o creme e o laranja. Na verdade, a escolha das cores começou pela seleção dos papéis, mimos e fitas que seriam utilizados no bolo, que foi confeccionado por mim, mãe do aniversariante, com todo carinho do mundo, carregando assim as melhores energias e desejos para o Pedro Frederico. Geralmente, tenho um estilo bem mais tons pastéis, mas ao planejar a festa do Pedro Frederico senti a necessidade das cores que traduzissem vida e acabei convencida de que vale inovar sempre, utilizando combinações até mesmo um pouco inusitadas. Adultos e crianças aprovaram o resultado!”

“Não contratamos recreacionista para o aniversário. A ideia era que todos os adultos interagissem com as crianças e também entre si, por isso, em todas as mesas foram colocados brinquedos de montar da época da infância de nossos pais e avós para que os adultos se divertissem e brincassem durante a festa, ensinando aos menores como fazer. Foi uma delícia! Todo mundo adorou a ideia e os pais introduziram no universo de seus filhos novos brinquedos antigos”.

“Foram servidas comidinhas típicas de festa infantil como cachorrinhos, pão-de-queijo, salgadinhos, docinhos, bolo… Para beber, muita água, sucos, refris e espumante.”

“O que mais nos importava era reunir a família e os melhores amigos em um ambiente gostoso, alegre e de bom gosto, fazendo o Pedro Frederico saber que comemorar um aniversário entre as pessoas queridas é sempre o melhor presente.”

“Não fizemos uma festa para comemorar o primeiro aninho do Pedro Frederico, apenas um bolinho em família. Resolvemos esperar para fazer uma bela festa aos dois aninhos para que ele aproveitasse bastante. E valeu muito a pena esperar… A festa foi realmente um sucesso. O Pedro Frederico já estava maduro para entender o que acontecia e se divertiu muito! Curtiu cada momento, se deliciou com as guloseimas, explorou os brinquedos da mesa, brincou com os amigos… Foi perfeito!”

Treinamento funcional o que é? Personal trainer Joseane Canova Explica

Quem me acompanha no Facebook viu que no início de março pedi uma sugestão de personal trainer para os meus amigos. Foi aí que conheci a Joseane Canova e entendi um pouquinho mais do tal do treinamento funcional que a Raquelzita tanto me falava… E não é que essa modalidade realmente faz diferença? Não vou mentir para vocês. Malhar para mim sempre foi e continua sendo uma tortura, mas estou bem feliz com as mudanças que já começo a sentir no meu corpo. Convidei, então, a minha teacher para falar um pouquinho sobre o treinamento funcional para vocês. E se ficarem com alguma dúvida, podem mandar que ela responde.

O que é treinamento funcional?

É uma modalidade que está ganhando vez nas academias por se tratar de uma atividade mais completa. Trabalha valências físicas como força e equilíbrio.  Isso tem tornado esse tipo de treinamento muito popular já que em um mesmo exercício trabalhamos o corpo de forma global, prevenindo lesões e fortalecendo todos os músculos com movimentos naturais.

Qual o diferencial dessa modalidade?

O corpo não é trabalho isoladamente e sim, como um conjunto. Durante um mesmo exercício, simultaneamente, são trabalhados diversos músculos. Isso ajuda muito na prevenção de lesões, na melhora postural e no fortalecimento muscular

Quais são os acessórios usados?

Além do próprio corpo, são usados acessórios como, por exemplo, bola e elástico.

Gestantes podem fazer? 

Nos três primeiros meses não se deve fazer nenhuma atividade física intensa, mas se a gravidez estiver bem e a gestante for liberada pelo médico ela pode e deve realizar esse tipo de atividade com exercícios leves e moderados e com acompanhamento da frequência cardíaca. O treinamento funcional é recomendado para mulheres grávidas desde que seja acompanhado de um profissional capacitado.

Quais os benefícios dessa atividade para quem está grávida?

Muitas mulheres durante a gestação possuem dor nas costas, principalmente na lombar. É importante fortalecer essa musculatura e dentro do treinamento funcional existem diversos exercícios que realizam essa função. O centro de gravidade da mulher também muda e precisamos aperfeiçoar o equilíbrio e readaptar diversas atividades do dia a dia. O treinamento funcional ajuda na estabilização da coluna e na melhora da postura através do fortalecimento dos músculos abdominal e lombar.

Quais são as contra-indicações?

Existem diversos exercícios complexos com um certo nível de dificuldade. Durante a gestação eles devem ser riscados da lista das gestantes investindo em exercícios mais leves, de fácil execução e baixo risco.

E as mulheres que acabaram de ter filho, também podem fazer esse treinamento?

Se a mulher fizer atividades físicas durante a gestação irá se recuperar mais rápido do pós-parto e poderá retomar as atividades num período menor. Esse tipo de treinamento irá ajudar a fortalecer a mus

Conversas para guardar

Já comentei aqui que adoro guardar recordações dos meus pequenos: fotos, vídeos, desenhos, pequenos objetos… Tenho uma caixa “especial” onde acomodo com muito carinho roupinhas de momentos marcantes, sapatinhos e brinquedos especiais, outra para cartões de felicitação, convites dos aniversários e lembrancinhas. Além disso, muitos álbuns de fotografias e pastas com desenhos e trabalhinhos.

Conversas para guardar

Mas e a voz mimosa, as palavrinhas engraçadas, o som das risadas??? Lembro que a minha mãe costumava gravar em fitas cassete (do fundo do baú, rsrs) as nossas conversas quando eu e minhas irmãs éramos pequenas, e eu já estava pensando em fazer isso com meus filhos, puxar assuntos divertidos com eles e eternizar o áudio desses momentos.

Daí que, passeando em Miami, entrei numa loja da Hallmark – adoro as lojas dessa marca, sempre que viajo para os EUA entro numa para comprar alguns itens de papelaria, como cartões (são lindos!), envelopes e coisas do gênero. E o que encontrei em um dos corredores da loja??? Uma série de livrinhos chamados Conversations do Keep – Recordable Book.

A coleção consiste em livros bonitos, com gravuras, que trazem junto um gravador. Em cada página há frases sugestivas para iniciar as conversas com seu filho, tipo “O que você faz para fazer a mamãe sorrir?“; “O que você pensa que a mamãe faz quando você não está junto?”; “O que você quer ser quando crescer?”; “O que você gosta de fazer com a mamãe, e por quê?”. Para cada uma das perguntas há um botão, daí é só apertar e gravar a resposta da criança!

Não é uma recordação maravilhosa para guardar de nossos filhos? Já imaginaram daqui uns 20 ou 30 anos escutar isso junto com eles, que emocionante?

Há livros para toda a família, eu comprei o Mom & Me, mas há também “Dad & Me”, “Grandma & Me” e “Grandpa and me”.

Muito mais lindo do que um pen drive para guardar algo tão precioso quanto as palavras dos nossos filhos, não acham?!

Borboletas e corações na festa de Nina e Martina

Foi assim o convite dessa festinha linda e diferente:

“Era uma vez duas borboletinhas, uma chamada Nina e a outra chamada Martina que escolheram o mesmo dia para nascer… mas com dois anos de diferença!!!

Dia 07 de dezembro de 2012, às 19 horas, elas resolveram que seria incrível comemorar com toda sua família e amiguinhos o DIA DAS BORBOLETAS!!!”

“A mãe da Martina é minha amiga há muito tempo. Planejamos ficar grávidas juntas do primeiro filho. Eu engravidei no primeiro mês de tentativa da Mel e ela 5 meses depois do Lucca. Não foi tão próximo como queríamos, mas pudemos criar nossos dois filhotes juntos… Viajamos… Enfim, viramos super dindas! E os dois são amigos, colegas no colégio e parceiros! Planejamos então a Nina, que nasceu 5 anos e meio depois da Mel no dia 3 de dezembro de 2008. Ela veio um pouco antes do planejado… Era para ser dia 29 de dezembro. E a Lili entre algumas mudanças na vida descobriu que estava grávida novamente, a Martina estava a caminho e o nascimento seria para metade de dezembro. Aquelas coisas incríveis da vida… Ela entrou em trabalho de parto, foi para o hospital e, assim como a Nina, nasceu na madrugada do dia 3 de dezembro… Exatamente 2 anos depois,” conta Vanessa Trombini, profissional responsável pelo Studio do Brinquedo (local de atividades para crianças dentro da ALJ) e também decoradora de festas.

“O salão escolhido foi o da churrasqueira do Juvenil, pois assim as crianças sairiam do Studio do Brinquedo no final do dia direto para a festa! Praticidade para os pais… E como a Martina entrou para o Studio do Brinquedo também, achamos que seria uma ótima ideia comemorar juntas, afinal a maior parte dos nossos convidados são sempre os mesmos (temos muitos amigos em comum e sempre convidamos as famílias uma da outra) e os convidados das nossas meninas (amiguinhos) também! Começamos pensando na praticidade visto que dezembro é lotado de eventos. No fim virou uma curtição… Como não tínhamos pensado nisso antes?”

“Fomos produzindo todos os detalhes: caixinhas, latinhas… Como trabalho com festa fica fácil! E a Lili é uma artista! Trabalha com scrap e costuras… Faz coisas incríveis!”

“A festa já estava com tema definido pela Nina. Ela queria corações e borboletas… Decidiu isso depois do Dia das Mães no Juvenil em que ministrei para as crianças uma oficina de corações com arame e miçangas. A Mel continuou fazendo corações em casa, e a Nina decidiu que a Mel faria corações para decorar a festa dela de 4 anos que seria de borboleta. Por que borboleta??? Não lembro muito bem como isso começou… Mas acho que é porque sempre dizemos para ela que ela é nossa borboletinha, sem dúvida uma irmã mais velha deve ter tido influencia…”

“Amoooooo o tal verde italiano, como nomeou meu afilhado Lucca (irmão da Martina). Já tinha guardada a rendinha, intocada, dessa cor fazia uns dois anos… Comprada naqueles momentos: talvez eu nunca mais encontre esta cor!!! Seria diferente usar este tom. Gosto de fugir do comum… Encontrei então um guardanapo floreado que tinha exatamente as cores que queria… E foi a partir do guardanapo que tudo foi se encaixando…”

“Não queria que a festa parecesse de decoradora. Gosto de coisas diferentes!”

“A intenção era dar uma cara de festa caseira e a Lili topou minhas ideias: mesa de caixotes, tule, luzinhas, bolo de chocolate da nonna da Nina e bolinho pretzel da vovó Duda da Martina…”

“Não podiam faltar os biscoitinhos e pirulitos de alfajor personalizados e deliciosos da Kika Pradel. E, como nossas boboletinhas são mega miúdas, ainda mais a Martina, pensamos em dois bolinhos pequenos e delicados como elas!”

“No cardápio tinham coisinhas de criança como cachorrinho, pão de queijo e sanduichinho…”

“Havia, também, suco e água aromatizada…”

“No dia da montagem, os dindos das aniversariantes e a minha super cunhada nos ajudaram.”

“O serviço foi feito pela equipe do Abreu Eventos, meus super parceiros.”

“De lembrancinha: asinhas de borboleta para as meninas e capas para os meninos (essas feitas por mim).”

“Foi o máximo… No meio da festa todos já haviam virado borboletas! A ideia da festa era brincar, brincar e brincar!!! E foi isso que as crianças fizeram… A noite estava linda e os pequenos aproveitaram muito. Brincaram naquele estilo de antigamente: sem eletrônicos, sem mega brinquedos… Tudo criado pela fantasia dos nossos pitocos! Foi como imaginamos!!! Tinham muitas borboletas nessa festa, uma mais linda do que a outra…

O diário de um prematuro

O post de hoje é muito, muito especial. Um relato corajoso, sincero, profundo e amigo de uma mãe que passou por todo o sofrimento de uma UTI Neonatal por mais de 100 dias. Uma mãe que teve gêmeos, perdeu um dos filhos no parto, e seguiu lutando com todas as suas forças para que o outro filho, o pequeno Antônio, prematuro de apenas 26 semanas, sobrevivesse.

O diário de um prematuro

Durante todos os dias em que o filho esteve internado, a Fabiana escreveu. Escreveu para aliviar a dor, para colocar as ideias em dia, e, principalmente, para deixar um registro que pudesse confortar outras mães que viessem a passar pela mesma situação.

Fabiana e o pequeno Antônio saíram vitoriosos dessa. Hoje ele tem 4 anos, é um meninão lindo, cheio de alegria e saúde, completando a família feliz com a irmã mais velha Júlia e o papai Paulo Roberto.

O diário é enorme, tem 45 páginas muito ricas, que provocam emoções no leitor – algumas vezes lágrimas, outras sorrisos, esperança, expectativa… Vou publicar aqui alguns trechos: os primeiros 10 dias (incluindo a primeira cirurgia do bebê), o dia do primeiro colo, com 2 meses de vida, e a véspera da alta da UTI. Quem tiver interesse em ler o relato completo coloca o email nos comentários para que eu possa enviá-lo.

Dia 17 de fev de 2009

Meus filhos nasceram! Um misto de sentimentos tomou conta de mim… Jamais poderia prever que eles nasceriam tão precocemente… Eu estava com 26 semanas e meia. De repente, comecei a sentir contrações. Ainda assim, não conseguia conceber a possibilidade de que eles estavam prestes a nascer. A correria no CO aumentava e com elas as contrações. Então, eu soube: chegou a hora. As dores aumentavam e eu não conseguia mais aguentar. Em menos de uma hora comecei a sentir contrações e tive meus dois filhos homens: Arthur Gabriel e Antônio.

Quando eu voltei a mim, veio a notícia da morte do gêmeo 1.

Pessoal,

 Não tenho palavras para descrever este momento… Sempre considerei a  situação que estou vivendo como a mais difícil que uma pessoa pode viver e nunca imaginei que eu passaria por tudo isso. O impressionante é que a gente encontra forças para ir adiante e fazer o que deve ser feito. Ver meu filho morto foi, sem dúvida alguma, a pior coisa que eu já experimentei na minha vida, mas o Antônio está aí e lutando para viver. Eu já entendi que cada dia é uma conquista e uma razão para comemorar. Meu filhinho é pequeno sim, mas é um guerreiro de peso.  Ele está lutando bravamente como gente grande.

O que eu mais quero agora é que o tempo passe e eu olhe para trás e conte essa história para outras mães que passam pelo mesmo problema para encorajá-las. Por enquanto, quem precisa de coragem e  força sou eu… Sei que vocês estão do meu lado e não vejo a hora de me recuperar para poder abraçar a todos e apresentar meu pequeno grande guerreiro. 

Amo vocês. Muito obrigada por todas demonstrações de carinho. 

Bj

Fabi.

O que parecia história da vida alheia, tornou-se a minha história e eu descobri que tinha mais força do que eu poderia imaginar.

 

MÁXIMAS DA UTI NEONATAL

O meu primeiro dia na UTI NEONATAL foi horrível… Eu pensei que não aguentaria… Vi mais máquinas do que meu bebê e jamais tinha visto um bebê tão pequeno. Na segunda vez que eu fui, também foi muito difícil. Cada palavra, cada gesto das enfermeiras, dos médicos e dos outros pais que estavam vivendo a mesma experiência que eu e meu marido, significavam muito para mim. Qualquer aceno em direção à ascendência do estado do nosso filho vale muito e eu jamais conseguirei mensurar o quanto eu sou grata aos profissionais que estiveram e estão ao nosso lado nessa luta.

Mesmo muito pequeno, meu filho se mostrou valente desde o primeiro dia que eu o vi e, pelo menos por ora, essa garra é o que tem me mantido.

Descobri que há uma rotina na NEO a qual resolvi chamar de “o mundo da NEO”. Os pais chegam e já vão para a sala onde fazem a higienização e colocam os aventais. Meu marido teve que conhecer o “mundo da NEO” antes que eu e quando ele me levou já estava bem familiarizado com aquele ambiente que, num primeiro momento, parece tão pesado… Contudo, à proporção que as horas passam, a gente vai vendo e conhecendo o “mundo da NEO” e aí já não parece mais tão pesado assim. Pelo contrário, a gente vê que os bebês melhoram e vão embora para a vida!

Mesmo assim, não consigo evitar sentir medo.

Lá no “mundo da NEO” a gente vive um dia depois do outro. Às vezes, a gente tem que se contentar com as horas e vibrar a cada uma que passa.

 “Cada um com seu bebê” – descobri que no “mundo da NEO” a gente não deve ficar olhando o bebê do lado. Cada bebê tem o seu ritmo, a sua história e o seu tempo. Não há comparação entre os pequenos grandes pacientes da NEO.

 No “mundo da NEO” a gente não pode esperar ouvir que nosso filho está bem, o máximo que ouvimos, pelo menos até o quarto dia após o nascimento (dia de hoje), é que o bebê está dentro do quadro esperado e isso é muito bom. Daí o porquê de mais uma máxima do “mundo da NEO”: “No news:  good news”.

 

Dia 21 de fev de 2009

Hoje foi o dia que eu mais fiquei com meu bebê. Após uma dor de cabeça insuportável, consegui me levantar e ficar  na NEO ao lado do meu filho. Comecei a tirar leite: MUITO LEITE…. Pena que o Antônio não está aqui no quarto comigo para eu poder amamentá-lo. Acho que, no momento, um dos meus maiores desejos é que ele esteja em condições de mamar. Eu vou ser a mãe mais feliz do mundo quando isso acontecer.

OS PRIMEIROS 05 DIAS DE VIDA DE UM PREMATURO

Hoje é sábado de carnaval, dia 21 de fev de 2009. Domingo passado baixei hospital para fazer repouso e na terça feira de madrugada meus filhos nasceram. Desde então, vivi um turbilhão de emoções… Tem horas que eu ainda custo a creditar em tudo que já aconteceu…

Terça-feira pela manhã após receber a notícia de que o Arthur Gabriel já havia falecido, a enfermeira responsável pelo CO foi falar comigo para ver se eu gostaria de ver o meu bebê. Num primeiro momento, eu fui terminantemente contra. Em seguida, mudei de idéia e ela foi buscá-lo. O tempo que ela demorou para chegar com ele aonde eu estava parecia uma eternidade…. Então, ela entrou e me mostrou meu filho enroladinho numa manta e com uma touquinha…. Parecia um bonequinho: pequeno e perfeitinho… Tão meu quanto a Júlia ou quanto o Antônio: para sempre meu filhinho… Eu jamais vou esquecê-lo… Onde quer que ele esteja eu sei que ele sabe que a mamãe ama ele mais que tudo nesse mundo e sempre estarei aqui com ele no meu coração até que um dia, enfim, nós nos encontremos novamente e eu possa, então, envolvê-lo em meus braços…

A ROTINA NO “MUNDO DA NEO” I

Todos dias nos horários das 12h30min às 13h30min e das 18h30min às 19h30min tem troca de plantão na NEO. Tão logo termina a troca de plantões, a porta da UTI NEO já está repleta de pais ansiosos para verem seus pequenos guerreiros.

Todo mundo já parece habituado à rotina da NEO. Por enquanto, eu ainda não vi ninguém mais perdido do que eu por lá. Porém, eu sei que em breve eu já serei uma veterana também.

Eu sei que o problema todo parece muito ruim, mas tem seu lado bom. Os resultados são muuuito gratificantes. Eu não desejo que ninguém passe por essa experiência, mas quem passa sabe o valor que cada hora de vida dos nossos filhos tem.

Com a Júlia foi tudo muito diferente… Ela nasceu com quase 3kg e meio e com 52cm! Grande e pronta! A gente não imagina que tem um mundo paralelo a esse que é o “mundo da NEO”.

Agora são 20h45min. Acabei de chegar da NEO. O Antônio está lá: lutando!!!!! Mexe feito louco!!! Chega a me deixar nervosa…

O ambiente na NEO é peculiar… Há um silêncio de cumplicidade na atmosfera. Os olhares apreensivos dos pais, mormente os recém chegados como eu; a solidariedade dos profissionais que zelam pela vida dos pequenos valentes; e o barulho contínuo das incubadoras. São tantos dados e itens de monitoramento que não dá pra acreditar!  O melhor a fazer é viver um dia depois do outro e comemorar cada um deles.

Hoje, enquanto eu e meu marido estávamos na NEO, uma das incubadoras começou a apitar, eu olhei para meu marido apavorada! Fechei a portinha da incubadora e fiquei com aquela cara de “por favor, venham ver meu filho!”. Então, a enfermeira veio e disse que estava tudo ok. Nesse momento eu percebi que aquele era apenas o primeiro de muitos sustinhos que eu ainda vou ter com o meu pequeno grande valente. Por enquanto, eu acho que ele está bem. Mais um dia está acabando e ele continua lutando bravamente. Por ora, eu agradeço a Deus mais esse dia e peço, com toda minha energia, outros dias ao lado do meu menino.

22 de fev de 2009

Hoje eu estou exausta! Parece que o mundo desabou em cima de mim. O Antônio está lá: lutando pela vida!!! Os dias na NEO custam muito a passar… Uma coisa melhora e outra piora e só o que nos resta é ter PACIÊNCIA: MUITA PACIÊNCIA. Ele precisa de tempo para se recuperar. Infelizmente nós somos muito imediatistas, o que torna a adaptação aos longos e inusitados dias na NEO muito mais difícil.

Toda vez que chego lá, vejo de longe a luzinha da incubadora do Antônio e, à proporção que vou me aproximando, vejo ele sempre se movimentando. Quando eu toco nele, ele responde ao meu toque: se contorce todinho e eu acho que ele gosta que eu ponha o dedo nas costinhas dele… Ele é muito bonitinho…

Não tem como não se incomodar com aquela quantidade de fios ligados no bebê. Hoje pela manhã, percebi que ele estava com outro acesso: isso parte meu coração… Eu gostaria de poder fazer alguma coisa, mas não posso!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Deus abençoe meu filho e esteja ao lado dele.

Ontem, ele estava chorando… Não dá para ouvir, ele não emite som, mas eu toquei nele e senti a vibração no peitinho dele… Chorar é normal, acho que deve ser até bom. Sei lá, a verdade é que já se passaram 05 dias e ele continua lá e, até agora, não deu nenhum susto muito grande.

As enfermeiras e as médicas da NEO são muito especiais… Cuidam dos prematuros com todo carinho e zelo que eles precisam. Às vezes, acho melhor nem perguntar como as coisas estão evoluindo com receio do que vou escutar. Prefiro ficar ao lado dele em silêncio, torcendo com toda minha alma e energia para que ele se restabeleça.

Eu soube hoje que a infecção dele já está melhorando, contudo ele ainda está com problemas para respirar e precisa do respirador. Parece que isso não é anormal, mas cada um com seu bebê.

Vou na NEO.

A IMPORTÂNCIA DO COMPANHERISMO I

Eu e o Paulo estamos juntos nessa empreitada e, se não fosse ele, eu não sei o que seria de mim. Eu consigo me ver nos olhos dele. Estamos juntos e nestas horas acabamos nos unindo ainda mais… Quando estamos na NEO eu fico olhando para ele através da incubadora do Antônio. Cada susto, cada barulho diferente daquelas máquinas é um novo olhar que trocamos. Não é preciso dizer nada… Nossa comunicação se dá de forma silenciosa e harmônica. Um tem sido o porto seguro do outro. Nunca estive tão próxima de alguém assim…

Isso tudo faz com que eu reflita acerca do quão perfeita é natureza, em todos os seus aspectos!

Tem horas que eu me olho no espelho e não consigo me encontrar. Nestes momentos, eu olho para o Paulo para conseguir me situar novamente e ele sempre está lá. Tenho me reencontrado diariamente através dele…

Eu descobri muito sobre mim nestes últimos 05 dias: descobri força, ouvi sons que jamais ouvira, choros que nem pareciam meus… A questão é que tem um bebê cheio de vida esperando e precisando de nós. Não dá pra se entregar!!!! O Antônio está bem sim e vai sair dessa! São essas as coisas que me vem à cabeça quando eu penso no Paulo: eu sei que o Antônio vai ficar bem e nós vamos ficar aqui ao lado dele o tempo que ele precisar e, quando isso tudo acabar e formos para casa com nosso pequeno guerreiro, vamos fazer uma festa bem grande para comemorar!!!!

22 de fev de 2009

Meu filho amado,

 A mamãe está completamente apaixonada por você… És tão pequenino, mas já tens o teu cheirinho e o teu jeitinho valente de ser.

O papai e a mamãe querem que tu saibas que és muito amado e que nós estamos te esperando sem pressa. Demore o tempo que precisares, nós não sairemos do teu lado.

Nasceste para a vida, renascemos para ti.

Te amamos,

Pai, mãe e Jujú.

 

23 de fev de 2009

Mais um dia se passou e nosso guerreiro continua firme!

Ontem tiraram meu soro o que facilita minhas idas na NEO. Hoje de manhã qdo estivemos lá, percebi que o Antônio já saiu da fototerapia! Ele abriu os olhos!!!

Ele é muito parecido comigo!

Já estamos amigos dos outros pais da NEO. Os bebês vão melhorando e vão mudando de sala, cada vez mais próximos da porta de saída. Por esta razão é que a UTI NEONATAL é uma UTI sui generis: é uma unidade de tratamento intensivo sim, mas para a vida…

O Antônio já tem amiguinhos de sala: a Manuela, que nasceu com 540gr e já está na NEO há mais de um mês! Tem também o Miguel I e o Miguel II, este é bem pequenininho e também já está há mais de um mês na NEO, aquele é grandão, mas ambos parecem que estão indo muito bem. Tem também a Maria que foi promovida de sala hoje e já vai começar a mamar no peito. Os bebês que estão na sala do Antônio ainda estão no respirador ou recém saíram e ainda não mamam no peito – recebem leite materno pela sonda ou ainda não estão recebendo, que é o caso do Antônio.

Hoje ele vai coletar sangue para fazer uns exames…

São 12h39min, estou esperando terminar a “troca da guarda na NEO” para eu ir ver o Antônio.

À proporção que os dias passam e que a gente vai convivendo com os pequenos valentes, vamos nos afeiçoando cada vez mais e vendo o quanto eles são resistentes! Na verdade, este nome “pequenos valentes” é o nome dado ao grupo de pais dos prematuros que se reúne todas as segundas-feiras aqui no Hospital. Eu ainda não tive a oportunidade de frequentar o grupo, mas estou ansiosa para que chegue segunda-feira que vem e eu possa ir. É importante esta troca entre os pais que estão na mesma situação… Faz com que a gente perceba que não está sozinho e que a vida dos nossos filhos está só começando. É claro que eles vão demorar um pouco mais que um bebê que nasceu na hora, mas vão ficar bem!

Não consigo mais ficar longe do meu filho… Venho para o quarto e a imagem dele não sai da minha cabeça… Então, a gente volta pra NEO e fica mais um pouquinho segurando a mãozinha do nosso pequeno valente.

23 de fev de 2009 

Acabei de voltar da NEO. Não pude ver meu pimpolho porque um novo prematuro estava pintando  no pedaço. Então, fui para a sala da ordenha tirar leite. Já estou me acostumando com a rotina da NEO. Já sei onde encontrar as coisas e como devo proceder na coleta do leite e, sem dúvida alguma, eu sou uma das mães que mais tem leite na NEO! Talvez seja meu organismo fazendo a sua parte…

Com o tempo a vida no mundo da NEO vai ficando menos impressionante e a gente vai vendo que a situação não é tão ruim assim. Pelo contrário!

24 de fev de 2009 – 11h

Hoje não está sendo um dia muito bom pra nós. O Antônio ainda não teve o fechamento completo de uma artéria do coração que faz com que o prematuro consiga respirar sozinho aqui fora. Ele vai precisar de mais uma dose da medicação para ver se esse fechamento acontece “naturalmente”, caso contrário, é preciso fazer um procedimento cirúrgico. O maior problema disso tudo é que para receber a nova dosagem do remédio ele precisa estar com a função renal estável e, por enquanto, isso não aconteceu. Enfim, é um probleminha atrás do outro… Ontem ele parou de tomar dopamina, uma droga que mantém a pressão estável. Porém, não se sabe se ele não vai ter que voltar a tomar esta medicação.

É isso aí, um dia depois do outro… Com certeza, muitos dias serão ruins, mas no final seremos recompensados. Só o fato de estarmos convivendo com nosso filho um dia após o outro já é uma recompensa que nós agradecemos a Deus do fundo dos nossos corações.

A prematura que chegou ontem na NEO, de prematura não tem nada! Nasceu com mais de 40 semanas e é uma giganta perto dos pequenos valentes da NEO. Eu sei bem porque ela fica ao lado do Antônio.

Eu não lembro se mencionei, mas o Antônio nasceu com 1kg e 20gr. Pois é, em frente à incubadora dele tem um menino que nasceu com 740gr e ao lado uma menina que nasceu com 540gr! Eu sei que lá na NEO é cada um com seu bebê, contudo, serve de consolo ver que ele não é o menor bebê da NEO…

Eu sei que ainda vai demorar mto tempo para o Antônio ir pra casa com a gente, mas eu confesso que já não aguento mais! É muita pressão! Ontem à noite eu simplesmente desmaiei. Apesar de estar super nervosa com esse problema que o Antônio está tendo nos rins, eu dormi em seguida, nem deu tempo dos pensamentos ruins invadirem minha mente.

A ROTINA NO “MUNDO DA NEO” II

Eu gostaria de estar mais tranquila… Mas a verdade é que eu estou com os “nervos à flor da pele”! Eu quero pegar meu bebê no colo! Tirar todos aqueles tubos dele e protegê-lo em meus braços! Eu queria tanto!

Todo dia quando saio do quarto pela manhã para ir na NEO eu tenho medo do que vou encontrar…

Hoje, o Paulo foi tomar café e eu fui direto pra NEO. Tenho medo de chegar lá sozinha e ter acontecido alguma intercorrência com o Antônio… Tenho tantos medos… Entretanto, não há espaço para todos eles… Não é justo que eu tenha dúvidas em relação a coisa alguma! Não é justo com o Antônio que está lutando bravamente… As dúvidas vêm como consolo no caso de alguma coisa dar errado. Funcionam como um “amenizador” do sofrimento que eu poderia ter no caso de alguma coisa dar errada. Mas, como eu já disse, por mais amedrontada que eu esteja, não posso me deixar abalar. Simplesmente não há espaço para isso nesse momento.

Hoje um casal lá da NEO que tem um bebê mais ou menos do tamanho do Antônio levou máscaras de carnaval para tirar fotos com o bebê. Eles estavam rindo e felizes…. Será que um dia eu também vou ficar feliz assim?

Ver o Antônio com aquele maquinário todo é sufocante! Tem horas que eu tenho a nítida impressão de que vou explodir!!!!

Eu sinto como se o mundo tivesse desabado sobre a minha cabeça… Completamente sem forças… Sem disposição para coisa alguma… Cada vez que chegamos da NEO e entramos no quarto, nos atiramos um pra cada lado: absolutamente esgotados, consumidos pela preocupação e pela expectativa de que horas melhores virão.

Hoje eu seu qual o significado da palavra desespero…

 Apesar de tudo isso, a vida no mundo da NEO continua vertendo…

Hoje eu entrei no site dos pequenos valentes e li vários depoimentos de outros pais que passaram pela mesma  experiência… De alguma forma, é confortante saber que há tantas outras famílias que viveram a mesma situação.

 

24 de fev de 2009 – 19h25min

Mais um dia está terminando e nós agradecemos a Deus por mais este dia.

Até amanhã.

 

25 de fev de 2009 – 10h46min

Mais um dia e mais um fardo de dúvidas e emoções. Hoje as questões são: será que a função renal do Antônio vai melhorar? No caso de não melhorar, será que devemos fazer a cirurgia??????????? Meu Deus!!!!!!!  Me sinto com as mãos atadas… Não sei o que fazer!!!!

Nestas horas parece que tudo está prestes a explodir…. Qualquer faísca lançada é o suficiente para as coisas pegarem fogo. Foi o que acabou de acontecer agora entre eu e o Paulo… Eu lamento muito… Fica difícil pensar de forma clara sem confundir as emoções…

Na verdade, tudo está muito difícil e eu sinto como se tivessem me jogado no meio de um furacão: desnorteada mesmo… Contudo, eu sei qual é o meu rumo, o caminho que devo seguir e ele me leva diretamente para dentro daquela UTI NEONATAL para o lado do meu filho. Em meio a esta tempestade toda só ele importa, só ele está certo e é da garra dele pela vida que eu tiro as minhas forças nos momentos mais difíceis.

Acabaram de ligar da NEO…. Tenho que ir lá falar com o cirurgião…. Meu Deus ajude meu filhinho…

O Paulo foi levar o sangue colhido do Antônio no laboratório. Não sabem se ele vai precisar fazer a cirurgia. Vai depender do resultado do exame.

Um casal de pais lá da NEO levou um par de sapatinhos para o Antônio hoje. Ela (a mãe) me disse que sapatos vermelhos são para a saúde. Aquilo significou tanto para mim… Eu até já coloquei um dos pés do sapatinho no Antônio…

Eu tenho vontade de gritar!!!!!!!! Aí eu penso: não é hora para se desesperar! PACIÊNCIA é a palavra chave no momento: PACIÊNCIA…

Hoje a Júlia chega da praia e eu vou apresentá-la para o seu irmãozinho. Tenho certeza que ela vai transmitir muita luz e força para ele… A Júlia é uma menina muito especial.

Agora são 13h05min, eu estou esperando terminar a troca do plantão para ir para NEO ficar meu pequeno valente. Apesar das complicações que estão ocorrendo hoje, eu sou estou confiante e tenho certeza que tudo vai ficar bem.

Filho amado,

 A mamãe e o papai estão aqui do teu lado. Sabemos que tudo vai ficar bem e queremos que tu saibas que não temos pressa. Somos teus  e estamos a tua disposição. Amamos você mais que tudo nesta vida…

 Bj

Pai, mãe e Júlia.

 Nunca pensei que daria tanto valor a um choro… Fico aqui no quarto do hospital ouvindo os choros dos bebês dos quartos próximos ao meu, ansiando o momento em que ouvirei com alegria o chorinho do meu filho.

 

25 de fev de 2009 – 21h11min

Hoje a Júlia veio conhecer o Antônio!

 

A ROTINA NO “MUNDO DA NEO” III

É impressionante o quanto a gente fica vulnerável quando tem um filho na NEO. Não há muito o que questionar em termos de conduta médica. Temos que fazer nosso papel de pais e deixar as decisões médicas para a equipe encarregada da UTI. Às vezes a gente nem sabe quais foram os procedimentos que já foram tomados. Fiquei sabendo hoje que o Antônio fez transfusão de sangue!!!!!

E mais! A cirurgia, que era uma possibilidade, virou fato! Ele vai fazer a cirurgia na sexta-feira às 8h.

Disseram-me que a vida no mundo da NEO é uma montanha russa – mais uma máxima do “mundo da NEO”. Contudo, eu não poderia supor que fosse tanto assim….

Hoje, a neonatologista de plantão veio conversar comigo e disse: se tu continuares tão nervosa assim, vais enlouquecer antes da metade da internação. Num primeiro momento, eu pensei: quem ela pensa que é? E se fosse o filho dela? Em seguida, percebi que este não era o caminho. A médica tinha razão. Se a gente se descuida, acaba enlouquecendo mesmo. A questão é que ficamos muito impotentes face a uma situação dessas e não há nada que possa mudar isso, exceto a paciência e o transcorrer do tempo. Só o tempo vai fazer com que as coisas evoluam e eu tenho certeza que isso não tardará a acontecer.

No mais é isso. Mais um dia está terminando e só Deus sabe qual o rumo dessa montanha russa amanhã. Até lá.

 

26 de fev de 2009 – 9h46min.

Acabei de vir da NEO. Tão logo entrei, percebi a movimentação ao redor do Antônio. A cara das enfermeiras e da médica quando me viram… Então, foi eu me aproximar da incubadora dele para elas pedirem para eu sair um pouco porque ele tinha perdido a cor.  Agora eu pergunto: o que significa perder a cor??????????????????????????????????????????????

Voltei para o quarto.

Meu obstetra acabou de entrar aqui e eu pedi que ele fosse até lá ver o meu pequeno valente. Meu Deus do céu…. Me dê forças….

Uma dor intensa invade meu coração…. Eu sinto um frio na barriga…. Tenho tanto medo…. Nem consigo escrever as coisas ruins que passam pela minha cabeça. Como eu já disse, não tenho o direito de duvidar da recuperação do meu filhinho que está lutando tão bravamente pela vida e vai vencer!

O meu obstetra voltou e disse que o Antônio está apresentando oscilações de comportamento. Ora está com a coloração ok, ora perde a cor e isso significa que alguma coisa há. Ele acha melhor pegarmos uma 2ª opinião antes de fazermos a cirurgia. O problema é que eu tenho medo de meter outro profissional no meio dos que já trabalham aqui na NEO e estão 24h por dia com o Antônio…. Eu não questiono a conduta dos médicos, eu só quero o melhor para o meu filho…

Falei com a Dra. D., uma das encarregadas pela NEO aqui do hospital, e ela disse que o que está atrapalhando o Antônio neste momento é este canal do coração e que a cirurgia é o caminho a ser tomado. Se ela disse, está dito. Eu acredito nos médicos e vou entregar nas mãos deles. Sem 2ª opinião.

Filho amado,

 A mãe não cansa de fazer vigília aí do teu ladinho. Ver tuas caretinhas e sentir tua energia enorme… Some a ela a nossa energia: de todas pessoas que estão rezando por ti. Pense no teu irmãozinho… Tenho certeza que ele também está ao teu lado torcendo por ti. Vai dar tudo certo meu pequeno valente. A mãe acredita em você e tem certeza que tudo vai ficar bem. Já consigo te ver brincando com a Júlia e com o nosso cãozinho bucha: o Truco, também conhecido como “Drogba”.

Te amamos muito.

Bjs

Pai, mãe e Júlia.

 

Mais uma vez sinto que o mundo desabou na minha cabeça… O cirurgião que vai fazer a cirurgia no Antônio me entregou um Termo de Consentimento para eu assinar. Seguinte: o tal termo parece uma assombração!!!! A parte que mais me doeu é a que menciona a possibilidade de o Antônio sentir dores no pós-operatório, sem falar que também consta que ele corre risco de morte….

Meu Deus, me sinto tão impotente…

Nestas horas a gente se apega muito em Deus… Como é importante a gente ter fé e acreditar em Deus, independentemente da crença que cada um segue: acreditar em Deus é fundamental!!! Eu acredito.

Hoje a montanha russa da vida no mundo da NEO está muito agitada. São várias descidas ao mesmo tempo e a gente mal se recupera de uma emoção e já estamos entrando de cabeça noutra. Não há como refugar. Não temos escolha, temos que nos atirar mesmo e acreditar. Ter fé: muita fé.

 

A IMPORTÂNCIA DO COMPANHEIRISMO II

O Paulo voltou a trabalhar ontem (25 de fev de 2009), mas ele continua dormindo aqui no hospital comigo. Aliás, o hospital virou nossa residência nos últimos 11 dias e, mesmo depois que eu der alta, vou continuar por aqui no mínimo mais 2 meses. Tem uma sala só para os pais que têm bebês na NEO. É bom porque é mais uma possibilidade de troca e consolo.

Todas noites antes de dormir a gente reza pelo Antônio e agradece o dia que passou. Continuamos sendo reflexo um do outro. O mais interessante é que quando um desanima, o outro fica bem e sacode a poeira. Assim as coisas vão indo: devagar e sempre. Nós já sabíamos que a caminhada seria longa, entretanto, não é possível dimensionar o tamanho da dor que sentimos.

Tudo nessa vida tem um porquê. Então, se nós estamos vivendo isso tudo é porque tem uma razão: é porque eu, o Paulo e o Antônio tínhamos que passar por isso. No final, seremos recompensados.

 

 26 de fev de 2009 – 17h14min

Acabei de voltar da NEO, mais uma vez o Antônio perdeu a cor e está saturando mal. A angústia de ver as enfermeiras correndo ao redor da incubadora dele é tão grande que é simplesmente impossível de explicar… Eu não sei o que fazer!

Tenho esperança de que amanhã depois da cirurgia ele comece a melhorar e consiga estabilizar a oxigenação. Por enquanto, só nos resta rezar, acreditar e, como sempre, esperar. Amanhã é outro dia e, se Deus quiser, vai ser melhor do que o dia de hoje.

Até lá.

 

27 de fev. de 2009 – 10h12min – DIA DA CIRURGIA DO ANTÔNIO

Acordei às 7h10min e, mais uma vez, parece que o mundo está sobre os meus ombros… Fui para a NEO ver meu guerreiro e acabei cochilando ao lado dele.

Às 09h20min, as enfermeiras entraram na sala em que o Antônio fica e levaram a incubadora dele para o bloco cirúrgico…. A sensação de ver nosso filhinho sendo levado com todo aquele aparato é insuportável….

Subimos para a capela para rezar um terço. Nessas alturas minha família e a do Paulo já estavam conosco.

Minha pressão baixou para 9 por 5. Quase desmaiei… A sensação que eu sinto é como se tivesse uma mão apertando meu coração. Absolutamente impotente… Entregue nas mãos dos médicos e nas mãos de Deus. Mas, como todos têm dito, Deus sabe o que faz.

 

Antônio – nosso filho amado,

 Receba nossa força e de todas pessoas que estão pensando em ti neste momento. Fica esperto meu bebê. Tu és um lutador: o nosso pequeno valente!

Estaremos aqui quando tu abrires os olhos segurando tua mão. Tudo vai ficar bem.

Te amamos,

Pai, mãe e Júlia.

 

Agora são 10h33min, estamos todos ansiosos esperando a equipe médica nos dar informações sobre a cirurgia.  

11h23 min. – acabamos de vir da NEO – A cirurgia foi UM SUCESSO!!!

………………………………………………………………………………………………………………………………………….

21 de abril de 2009

O tempo passa e com ele nossa angústia e preocupação.

O Antônio está na sala 3! Já vem pro meu colo uma vez por turno, ainda faz quedinhas de saturação, mas nada comparado ao que vivemos.

Hoje, eu e o Paulo colocamos ele no peito pela primeira vez! Foi muito bom! Ele é muito bonitinho…

Estamos muito felizes. Ainda vivemos um dia depois do outro, mas com a certeza de que logo estaremos em casa.

Uma coisa é certa: não é possível fazer planos quando estamos vivendo no mundo da neo, sob pena de vermos frustradas nossas expectativas. Então, continuamos agradecendo a DEUS cada dia e ansiando a hora de levarmos nosso pequeno valente conosco.

Por enquanto, eu estou na expectativa de ver o Antônio fora da incubadora. Ele está com 1kg725gr,  com 1kg800gr eles tiram ele da casinha e aí ele vai poder colocar roupinha….. Que lindo! Não vejo a hora! Quem sabe não é amanhã?

 

ANTÔNIO E EU – PARTE FINAL

Hoje é quarta-feira, dia 27 de maio de 2009. Amanhã vai fazer 100 dias que estamos no “mundo da neo” e, se tudo der certo, saímos amanhã mesmo!

Neste último mês, o Antonio passou por mais uma temporada no isolamento para se recuperar de uma gripe. Teve também a briga contra a mamadeira! Os prematuros só saem do mundo da neo quando conseguem mamar na mamadeira e, acreditem, mamar é muito difícil!

Hoje o Antônio fez sua segunda cirurgia; desta vez, foi muito mais simples e, é claro, tudo está muito bem e ele vai sair amanhã.

Foi, sem dúvida alguma, uma experiência e tanto, que mudou nossas vidas pra sempre….

Eu queria, mais uma vez, agradecer a todos vocês que estiveram ao meu lado e dizer que foi muito importante para mim sentir toda essa energia positiva! Muito obrigada! Eu gostaria de abraçar todos de uma só vez!

Hoje é quinta-feira, dia 29 de maio de 2009! Nem acredito que chegou ao fim o maior desafio de toda minha vida!

Estamos no hospital aguardando o médico que vai nos dar ALTA!!!!!! Esta noite, o nosso pequeno valente vai dormir ao nosso lado!!!!!

Ele está com 2,600kg e 47cm!

Antônio e eu? Não. Daqui pra frente, é o Antônio quem escreve a sua própria história.

um cavalo de balanço reinventado

O Superstudio Piú Temporary Museum for New Design, por exemplo, faz parte da Tortona Design Week, em Milão. E foi lá que as arquitetas Nathalia Tweedie e Laura Pasquali (na foto acima) viram a reinvenção do cavalo de balanço da marca Googy e lembraram de nós, mamães à obra

Obaaa!!! Nada como ter correspondentes internacionais… 🙂

Bom, a Nathalia e a Laura nos explicaram que a marca Googy não desenvolveu um simples cavalinho de balanço, como vocês podem imaginar olhando essa foto…

Projetada por um designer, a peça serve para proporcionar diversão, conforto e segurança.

As atraentes peças são acolchoadas, extremamente difíceis de derrubar, resistentes, e todas as suas superfícies são bem arredondadas…

Apesar de sua forma simplificada, a peça é imediatamente reconhecida como um cavalo de balanço pelos pequenos…

O fabricante garante que Goggy tem o apelo de um brinquedo de pelúcia e até mesmo as crianças mais jovens são atraídas para a sua presença suave e convidativa.

Como vocês podem ver nas imagens tiradas pelas gurias, existem opções para todos os gostos. Há uma variedade grande de acabamentos, texturas, cores e dois tamanhos, pequeno ou grande…

Ficaram interessadas? Para terem uma ideia, o cavalo de balanço grande e felpudo custa cerca de 579 euros. O site da marca ainda não entrega no Brasil, mas certamente as importadoras mais antenadas não perderão tempo…

E aí, gurias? Vocês gostam desse tipo de post? Querem outros nesse estilo???

 

Uso do desenho no tratamento de crianças? Vanna Puviani comenta

Gurias, na semana passada, aconteceu um evento super bacana aqui em Porto Alegre promovido pelo Infapa, instituto parceiro do Mães à Obra:  ”O uso do desenho e dos símbolos no tratamento de crianças e casais”. Não cheguei a divulgar nada antes porque o workshop era direcionado a especialistas, mas aproveitei a vinda da psicoterapeuta Vanna Puviani, professora da Universidade dos Estudos da Bologna (Itália) e especialista no uso terapêutico das linguagens não-verbais na Psicoterapia Imaginativa para uma entrevista. Espiem só:

Uso do desenho no tratamento de crianças?

As emoções nem sempre são expressas verbalmente, correto? Como, então, tentar entender o que as crianças sentem?

Não é tão importante entender o que as crianças sentem, mas favorecer a expressão das emoções da criança. O desenho é o caminho escolhido pela criança, o mais alegre e profundo, para falar de si, para se conhecer e se fazer reconhecer na sua singularidade e beleza. É uma maneira muito eficaz de se mostrar através das suas criações, e não apenas através de comportamentos problemáticos.

Além da linguagem verbal, que outras formas há de expressão?

Através da arte eu vou despertar o lado artístico da pessoa para que ela possa procurar a beleza, presente em tudo e em cada ser humano. Através de gestos criativos como escrever, pintar, desenhar, cantar, dançar… Através da prática focada nas artes eu ajudo as pessoas a buscar o contato consigo mesmo, com sua própria casa e com os entes queridos.

É possível interpretar sentimentos através de desenhos e símbolos?

A minha escolha não é interpretar os sentimentos, mas trazê-los de volta à vida através do desenho, isto é, do gesto, das cores, das formas e dos símbolos que você pode reconhecer como bons, como os seus sentimentos e como todas as pessoas. E eles são “bons”, porque são seus, visíveis e reconhecíveis através dos símbolos escolhidos e, portanto, não são mais assustadores.

Qual o papel das cores na interpretação de um desenho?

A minha escolha é não interpretar o desenho, assim como não se interpreta um quadro ou uma música, e então o efeito benéfico onde está? Encontra-se nas emoções que evocam o olhar e nas histórias que ativam o seu autor.

E em relação ao desenho? Em quais aspectos ele pode ser observado além das cores? Traçado? Objetos presentes?

Desenhar significa ver e tornar visível o mundo interno e as relações externas: geometria e símbolos, proximidade e distância, que antes eram obscuras. Significa ver os problemas e ver as soluções. Juntos: adulto e criança em busca das necessidades e sonhos, tudo para tornar visível e possível de ser narrado. O desenho não deve ser interpretado pelo adulto, mas proposto por ele e utilizado pela criança para contar, para gritar os seus problemas e sussurrar as soluções, o desenho que se torna auto-revelação.

É saudável que pais e educadores estimulem os filhos a desenhar?

Eu acho que sim, porque é exatamente através do desenhar que a criança se expressa, se reconhece, se narra, se auto- revela. Desenhar é uma atividade sagrada de criatividade. É a maior obra de arte que nos foi dada, poder criar uma forma, uma voz, cores e dar visibilidade à sua própria individualidade única e singular.

A partir de que idade as crianças têm coordenação motora para o desenho?

A partir de dois ou três anos de idade a criança acha divertido passear sobre uma folha com uma cor e deixar os traços de si bem visíveis para mostrar a uma pessoa atenta e pronta a apreciar os seus gestos. Gestos aparentemente sem sentido para o adulto, mas plenos de intencionalidade para a criança.

Quando as crianças conseguem fazer a figura humana?

A habilidade da criança de dar forma ao corpo humano e a qualquer objeto que ele vê é uma conquista que começa a partir dos três ou quatro anos de idade e que varia, tanto em relação à idade, quanto aos estímulos familiares e ambientais. É, portanto, sempre apropriado oferecer a criança a oportunidade de desenhar.

Quais seriam os sinais que poderiam indicar uma situação problemática ou de inadequação, indicando o encaminhamento a um especialista?

Os sinais mais claros de sofrimento são expressos pela criança através da escolha de um comportamento inadequado e preocupante. O desenho é um instrumento de cura, pois dá à criança a oportunidade de se expressar, de narrar a si mesmo, de reconhecer-se e de se fazer conhecer e ser visto. E assim vai transformar os seus relacionamentos afetivos, fazendo com que o adulto o veja através dos seus olhos. Eu sempre sugiro aos pais e professores que desenhem para buscar as formas “belas” para dar vazão, luz e visibilidade à beleza que está em toda parte, a beleza que é a explosão de vida dentro de nós, à nossa volta, graças a nós.

Primeiros cuidados médicos com o bebe com Pediatra Natacha Uchoa

Na semana passada, a mãe de uma coleguinha do Santiago, que chegou há poucos meses de muda do Rio de Janeiro, perguntou se eu teria um pediatra de confiança para indicar. Recomendei a Dra. Natacha Uchoa, que acompanhou o parto do Santiago e hoje, além de médica do meu gurizinho, é uma amiga muito querida da família. Lembram que publiquei Festa Pop Star a festinha da filha dela? Pois então… Conversando com a mãe do coleguinha do Santiago, percebi que a Raquel e eu nunca tínhamos falado no Mães à Obra sobre a importância da escolha do pediatra e os primeiros cuidados médicos com o bebê. Convidei, então, a Dra. Natacha para esclarecer algumas questões sobre o assunto. Espero que gostem!

Como escolher o pediatra do seu filho? O que é importante levar em consideração no momento da escolha?


A escolha do pediatra é muito importante. O médico deve ser escolhido, se possível, ainda na gestação para logo que sair do hospital, caso não seja o mesmo que atendeu no nascimento,  possa auxilia-lo nas primeiras dúvidas. Além de obter referências, pesquise sua formação profissional. A empatia do profissional é extremamente importante, associado a disponibilidade.  É sempre confortante para os pais, saber se em caso de urgência, ou fora do horário do consultório, possa entrar em contato. Os pais sentem-se seguros se sabem que podem pedir ajuda.

O pediatra deve ser indicado pelo ginecologista obstetra ou pode ser sugerido pela própria paciente?

O pediatra na sala de  parto, na minha opinião, é melhor ser indicado pelo obstetra, pois este já sabe das rotinas dessa equipe, facilitando o atendimento da mãe e do bebê.
Já o pediatra que acompanhará o bebê após a saída do hospital deve ser escolhido pelos pais, assim poderão optar pelo profissional que mais lhe trará segurança.

Primeiros cuidados médicos com o bebe

Para que os pais não fiquem inseguros, vale marcar uma consulta com o profissional mesmo antes do nascimento da criança para já receber as primeiras orientações e tirar dúvidas?

Sim, o primeiro contato é muito importante, e se esse acontecer antes do nascimento, os pais terão mais tempo para procurar o pediatra que melhor atende suas necessidades.
Assim, também, ficarão mais tranquilos com as dúvidas inicias, até as de enxoval do bebê.

É importante que o médico que acompanhe o parto seja um pediatra com especialização em neonatal ou não necessariamente? Por quê?

O pediatra na sala de parto não necessariamente tem que ser neonatologia, mas é recomendável. Isto deve-se ao fato de que se acontecer qualquer intercorrência com o bebê o neonatologia está mais habilitado a atender.

Quais são os exames que o recém-nascido faz ainda na maternidade? Tipagem sanguínea? Teste do pezinho? Teste da orelhinha? Teste do olhinho? Quais exames são obrigatórios? Quais são opcionais?

A Tipagem Sanguínea do recém-nascido não é um exame obrigatório ao nascimento. Esse só é coletado se a tipagem sanguínea da mãe for negativa ou em casos de icterícia neonatal precoce para descartar incompatibilidade sanguínea.

Primeiros exames

O Teste do Olhinho, realizado pelo pediatra não necessita de colírios prévios, é feito utilizando uma fonte de luz para se observar o reflexo que vem da retina. O reflexo vermelho normal  significa que as principais estruturas internas do olho  estão transparentes, permitindo que a retina seja atingida de forma normal, descartando, principalmente catarata congênita. Esse exame é obrigatório ao nascimento ou até a alta hospitalar.

O Teste da Orelhinha ou Teste de Otoemissão Acústica é simples, feito a partir de 48 horas após o nascimento do bebê e pode detectar se ele tem algum problema auditivo evitando problemas na fala e no aprendizado da criança. O exame é feito no berçário em sono natural, demora de 5 a 10 minutos, não tem qualquer contra-indicação, não acorda nem incomoda o bebê. Esse teste pode ser feito ainda no hospital ou até os 30 dias de vida.

O Teste do Coraçãozinho ou Oximetria de Pulso é um exame simples, indolor, rápido, que deve fazer parte da triagem de rotina de todos os recém-nascidos, pois é importante para o diagnóstico precoce de algumas cardiopatias congênitas. Esse mede a oxigenação sanguínea na mão direita e em um dos pés do bebê. Ainda não é obrigatório em todo o Brasil.

O Teste do Pezinho é um exame laboratorial simples que tem o objetivo de detectar precocemente doenças metabólicas, genéticas e infecciosas, que poderão causar lesões irreversíveis no bebê. Ele é feito a partir da análise de gotas de sangue colhidas por punção no calcanhar do recém-nascido. O teste tem por objetivo identificar diversas doenças que não apresentam sinais ou sintomas logo após o nascimento.
Deve ser coletado a partir do terceiro dia de vida, o mais precoce possível, para que o tratamento seja iniciado precocemente, evitando complicações da doença detectada. O teste do pezinho básico que detecta quatro doenças: hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria, hemoglobinopatias e fibose cística, é obrigatório, os testes ampliado, plus e  master, que detectam mais diferentes tipos de doenças não são obrigatórios porém muito importantes.

Com que frequência a criança visita o pediatra nos primeiros anos de vida?

No primeiro ano de vida, as consultas são mais frequentes. A primeira visita ao consultório costuma ser entre o sétimo e o décimo dia de vida.  É normal o bebê perder peso nos primeiros dias de vida, então uma consulta precoce é muito importante para revisar o peso, ver como está a amamentação e tirar muitas dúvidas que surgem nesses primeiros momentos. Depois, as consultas são mensais no primeiro ano de vida para acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança e também as vacinas. A partir dos 12 meses de vida até os 24 meses podem ser a cada dois meses e a partir de então a cada 3 meses.

Quais são as dúvidas mais frequentes das mamães de primeira viagem?

As dúvidas mais frequentes são sobre amamentação e cólicas. Porém, a cada mês que a criança vai crescendo surgem diversas e variadas dúvidas. “Como será quando eu voltar ao trabalho?” “ Deixo o bebê em casa com uma cuidadora, ou coloco em uma escola?”  “Como introduzir os alimentos sólidos ao bebê?”

Conclusão Algum conselho a elas?

Eu além de ser pediatra, sou mãe, então quero dizer que nenhuma dúvida deve ser deixada de ser perguntada, mesmo que pareça bobagem, pois o bebê não vem com uma bula e nem nós, mães, aprendemos a cuidar dos nossos filhos em um curso. O dia-a-dia é que nos ensina e o pediatra ajuda muito, nos deixando tranquilas e nos ensinando quando devemos nos preocupar. Depois de eu ser mãe, tenho certeza, de que me tornei uma melhor pediatra, pois entendi melhor as preocupações das mães.

Miami Children’s Museum Dica de Viagem

Pensem em um lugar onde as crianças podem brincar de imitar os adultos em um espaço planejado para isso. Um mundo de faz-de-conta onde tudo foi feito para que os pequenos possam fantasiar, sentir, praticar, criar, experimentar… Em que aquelas brincadeiras criativas de fazer compras, colher frutas, andar de barco, dirigir caminhão, fabricar dinheiro e fazer paredes de tijolo podem realmente ter uma dimensão de realidade para meninos e meninas: este é o Miami Children’s Museum, uma das experiências mais legais que já tivemos com nossos filhos.

Como é o Museu Miami Children’s

Lá foi feita uma mini cidade mesmo para as crianças: com supermercado, banco, hospital, consultório de dentista, corpo de bombeiros, obras, fazendinha, etc, etc. A sensação, logo na entrada, é de puro encantamento. O supermercado é perfeito, tudo em tamanho reduzido: carrinho de compras, seção de frutas, de carnes, de pães, de enlatados, balança para pesar os vegetais, caixa onde até o barulhinho de leitura do código de barras se ouve ao passar um produto, enfim, uma sensacional maneira de brincar com a questão de fazer compras.

E na hora de pagar tudo isso??? Bem, podemos mostrar para as crianças que antes é necessário dar uma passadinha no banco para sacar dinheiro, e já aproveitar para mostrar como são produzidas as moedas, como é um cofre, que os países tem diferentes moedas, como podemos economizar dinheiro…

Vale a pena ir no museu Miami Children’s

Enfim, o lugar é realmente encantador, uma aula e tanto para as crianças, os meus filhos saíram de lá super curiosos em relação ao que viram, com os olhinhos brilhando!

Recomendo MUITO esse passeio para quem for a Miami com crianças.

O Miami Children’s Museum abre todos os dias das 10 às 18 hs, com exceção dos feriados de Ação de Graças, Natal e Ano Novo. O ingresso custa U$ 16,00 para adultos e crianças. Apenas bebês menores de 1 ano de idade não pagam.

Maiores informações: www.miamichildrensmuseum.org