Sem amigos imaginários

Lorenzo é filho único. Tem 5 anos e nunca pediu para ter irmãos. Aliás, ele pediu para não ter irmãos. Toda vez que a mãe de um colega da escola conta que está grávida ele chega e faz o mesmo comentário: “Tadinho do fulano, vai ter um irmão. Eu não quero isso!”.

Mas toda vez que ele vai dormir, quem dorme com ele? A Mana.

Sim, ele tem uma mana, e ela não é imaginária. É um dinossauro de pelúcia do filme A Era do Gelo. E ele tem um mano, que é o irmão da mana no filme. Mas eles não falam, não choram e não pedem pra dividir os brinquedos.

Eu sou filha única e nunca tive a vontade de ter irmãos. Então não posso culpar o Lorenzo por ser tão radical na vontade de ser o único. Ele aprendeu a dividir o espaço e a comida com dois cachorros, a Maria Eduarda e o Robert Rock.

A Duda, uma maltês de 7 anosm chegou antes dele nascer. Ele diz que ela é minha filha, mas não é irmã dele, afinal, ela é um cachorro.
O Bob, um shitzu de 10 meses, veio pra brincar com ele, e logo de cara eu tive que ouvir: “Eu sou o papai do Robert!”.

E assim a família ficou completa.
Ele brinca com o filho, xinga, coloca de castigo, tenta sempre dividir a comida com os cachorros e ainda dá beijinhos. E eles brigam, brincam e assim o dia se completa.

Eu vejo muito pais falarem dos amigos imaginários dos filhos. Tem pai que já sentou ou pisou no amigo sem querer.
Lá em casa os amigos são todos reais e animais.Até os insetos ganham carinho e atenção até que alguém mate por engano. E aí é um drama, que dura uns 5 minutos, mas que é o suficiente para centenas de fungadas e suspiros dolorosos.

Criar um filho e ter animais é cansativo. Tem dias em que as mordidas são maiores do que as lambidas.
Mas nunca é tedioso. Ver as crianças brincando e sorrindo é tudo que a gente espera para os nossos pequenos. E nada é mais eficiente do que ver o Bob deitado de barriga pra cima esperando um carinho do Lorenzo. A gente precisa aprender com as crianças que as maiores alegrias são feitas dentro de casa com o que faz parte do nosso dia a dia.

Às vezes nós criamos sonhos imaginários para que a vida se torne perfeita, mas para eles ela já é completa e não precisa de mais nada pra sermos felizes. É só saber curtir o que se tem, em vez de esperar pelo que não está ao nosso alcance.

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *